terça-feira, novembro 19, 2013

MOSCA NO AVIÃO


Dentro do avião, o zunido me acorda. Estou sonolenta, uma mosca passa razante, bate no vidro, me sacode da cadeira. Volta. Me contorna e estou agora com toda a energia desviando dela. 
Já estamos no ar há mais de uma hora. Em mais trinta minutos estarei em casa. E a mosca?
A essa altura, literalmente não a vejo mais. Certamente está acordando outra pessoa, pois não há comida no vôo. Sei que no momento ela se foi. Isso me basta. Ainda assim, continuamos aqui: eu e a mosca.
Olho a janela, a luz que a seduziu continua lá. Se não fosse a mosca, eu certamente estaria dormindo e não a teria percebido.
Pena não poder abrir a janela. Seria a liberdade da mosca! 
Sinto a ausência dela e me surpreendo solidária. Solitária. Mas janelas de aviões não se abrem. Abro-me eu então ao olhar a janela. Penso na vantagem que tenho, sobre quem me tirou o sossego: afinal ao contrário das moscas sei que janelas de avião não abrem e estou livre de bater a cabeça.
Curioso imaginar o tanto que uma visita tão rápida e insignificante me faz pensar. Já se foram 15 minutos. Estou agora preocupada com ela, a mosca. Estaria o bichinho fugindo de um tabefe, ou simplesmente distraído com a paisagem. Não, a contemplação não é da natureza das moscas. Elas voam incansáveis até nos tirarem o sossego.
O vôo vai terminar a qualquer momento e nada da danada. Espero que ela esteja bem, afinal por causa dela estou aqui. (Imagine, se Kafta tivesse conhecido a minha mosca!) Me espanto comigo. Sinto gratidão por quem me acordou. Ela não aparece, mesmo assim seguimos voando, as duas.
A coragem dela me inspira. Lembro da vontade daquele inseto de ser livre. Toda, inteira tomada por um desejo selvagem de ganhar o mundo e eu ali, estática, dormindo.
Pousamos.
Despeço-me da ansiedade de vê-la. Não se faz mais preciso. Sem saída, agora dentro de mim, a mosca me mostra o caminho.

6 comentários:

Anônimo disse...

Adorei! Leila Andrade

Paulo Coutinho disse...

Nádia, você tem, sim, muito a declarar. Acompanho seu trabalho de repórter no Mais Você,muito bom por sinal. Mas esse texto me mostrou uma outra Nádia, mais filosófica. Foi ler e me identificar contigo. Também sou jornalista e escrevo sobre assuntos diversos em meus três blogs aqui. Faça uma visitinha neles, colega interessante:

www.umacidenteemminhavida.blogspot.com.br

www.noticiastupiniquins.blogspot.com.br e....
www.amigodasdonasdecasa.blogspot.com.br

Valeu, gata, um beijão.

Paulo Coutinho disse...

Nádia, você tem, sim, muito a declarar. Acompanho seu trabalho de repórter no Mais Você,muito bom por sinal. Mas esse texto me mostrou uma outra Nádia, mais filosófica. Foi ler e me identificar contigo. Também sou jornalista e escrevo sobre assuntos diversos em meus três blogs aqui. Faça uma visitinha neles, colega interessante:

www.umacidenteemminhavida.blogspot.com.br

www.noticiastupiniquins.blogspot.com.br e....
www.amigodasdonasdecasa.blogspot.com.br

Valeu, gata, um beijão.

Rô Torquato disse...

Texto muito interessante, faz pensar, revela ainda mais tua sensibilidade, você é admirável. Algo engraçado... Entendi a essência do texto, mas ali no finalzinho, quando você diz:"...agora dentro de mim, a mosca me mostra o caminho."...Menina, dá uma agonia... Mas é provocativo também! Talvez eu nunca chegaria a imaginar uma mosca dentro de mim. Beijo, Nádia! Estou amando o NA ESTRADA!

Aline Braun disse...

Gostei muito!

devid john disse...

Download captain america 2 : www.captainamerica2thewintersoldier.com/